quinta-feira, dezembro 10, 2009

A mesma sensação... A mesma dúvida!*


Eu sei lá porque raio me sinto assim agora mas o que é certo é que sinto. Assim... sem nada, vazia! Hoje rodeiam-me notícias menos boas e, por muito que tenha já alguma imunidade a elas, são os relatos de quem sofre que mais me deixam cair por terra. São esses relatos e a revolta por se sentirem impotentes que me destroem muitos dos alicerces que ergui para não me deixar abater tão depressa. Mas hoje não dá! Hoje existe uma dor para com eles. Hoje existe uma dor em mim. Hoje vagueio e viajo até tempos remotos dessa mesma dor, dessa mesma sensação...

Mas em vez de me sentir bem, contente, preenchida, não. Senti somente um vazio. Senti um aperto no peito e senti-me incompleta. Já tentei chegar ao porquê de todo este sufoco e não consigo. Tudo parece ser motivo mas ao mesmo tempo não faz sentido que esse tudo seja motivo. Resumindo, não sei o que me deixa assim.
(...)
Conseguimos nós adoptar as soluções que damos aos outros para problemas idênticos? Creio que não. Quando nos toca a nós queremos ser ou só racionais, ou só sentimentais. Acontece que entramos em choque. Entramos num conflito interior que nos vai corroendo ao longo do tempo e que em certa altura deita abaixo o nosso escudo, as muralhas que erguemos para nos protegermos. E aí ficamos frágeis, vulneráveis e um pouco desorientados. Queremos parar para pensar e não nos é permitido, uma vez que o sentimento teima em impor-se. Queremos parar para somente sentir e eis que vem a razão colocar mil e uma entraves. Não há espaço para o meio termo, ou então, neste momento, não consigo encontrar esse meio termo. São medos antigos, são vontades de arriscar, são fantasmas de desilusões, são necessidades de voar... É um turbilhão de sentimentos. É sempre mais fácil arriscar quando sentimos que do outro lado existe um porto seguro. Mesmo que não seja perto, a crença de que ele lá está e que vamos triunfar no final quando lá chegarmos é motivo suficiente para arriscar. Só que é isso que tem faltado. A percepção desse porto seguro. Está, porém, um nevoeiro danado. Nada é nítido. O que irei encontrar a seguir é uma incógnita e tenho medo. Tenho medo e afasto-me e cada vez mais me afundo.

Isto tudo tem 1 ano e 9 meses.... Isto tudo, porém, está o mais actual possível!

Mas continuo a perguntar... Porquê?


4 comentários:

White Knight disse...

Não me digas que tenho de contar a história do capucho p levantar o astral!!!! :P

Cátia Lima disse...

oh amiga tens-me parecido tão bem, tens demonstrado alicerces que acreditava existirem mesmo...

... e devem existir, mas quando é que não são abanados, qd é que as recordações não se tornam tão actuais que nos parece ter-mos voltado ao passado e revive-las com a mesma intensidade...a ferida abre e dói da mesma maneira...

... mas puseste aqui uma frase: "É sempre mais fácil arriscar quando sentimos que do outro lado existe um porto seguro. Mesmo que não seja perto, a crença de que ele lá está e que vamos triunfar no final quando lá chegarmos é motivo suficiente para arriscar.", isto faltou-te há 1 anos e nove meses, mas cresces-te tanto mas tanto de lá para cá, que acredito teres alicerces muito mais fortes e tens a certeza que existe sempre um porto seguro do outro lado, procura o instante mágico, tu sabes tão bem encontrá-lo.

Isto pode ser tudo uma treta, mas até pode haver uma palavra ou outra com sentido, porque nunca estamos imunes ás quedas, nem ás lembranças, por mais que os nossos alicerces estejam fortificados, afinal somos seres com sentimentos frágeis por natureza.

Força, sempre aqui para ti... tu sabes.

Bruno disse...

pois às vezes as sensações e as dúvidas persistem em permanecer :s

PretenderJorge disse...

Não saberia entender um porto seguro...

...mas saberei sempre entrar onde exista uma vela que me faça velejar, mesmo que sem rumo, mesmo que sem certezas...mesmo que sem...

O porto seguro és tu e esse precisa de velejar muito ainda para sentir a segurança...deixa-te navegar que ainda existem ventos que não apanhaste e são ventos fortes, mas também macios e calmos onde vais poder observar tudo ao teu redor.

Sente e Vive..."Faz Parte"


Beijinhos