quarta-feira, março 11, 2009

Volto já!


Descemos aqueles degraus rumo ao deserto mais íntimo do "Eu". Desprovidos de camuflagens, tentamos discernir o que é real do que é ilusão.

Anseios desmedidos, necessidades transcendentes.

Aos olhos de muitos será só falta de juízo. Aos nossos olhos é, sem dúvida, magia ilusória que preenche os espaços feridos de uma alma.

Que sabes tu de mim?
Que sei eu de ti?

Mais do que supomos, mais do que imaginam, mais do que queremos.

Sinais que esperas que decifre. Sinais que quero que percebas.

Volto já!

Volto já... da montanha russa, da roda viva, do rodopio estonteante!

Volto já... um termo carregado de esperança, mesmo que absurda, do voltar que se quer parado no tempo mas, que não se controla neste.

Volto já... como se não me conseguisses deixar ir, como se eu não quisesse ir, como se nós não pudéssemos seguir.

Presos, atados, acorrentados a um bater sincronizado de vida. Sim, Não, Talvez... Hum... Volto já!

E respira-se, mais uma vez, no meio da falta de ar provocada pela incógnita atrofiante do futuro imprevisto que nos persegue.

Volto já... É sempre mais fácil de assumir do que o "adeus". É sempre mais fácil de assumir do que o "aqui permanecerei". É a facilidade que nos livra da escolha que não queremos tomar. É a facilidade que nos livra do confronto com as reais vontades...

E, entre sopros misteriosos de desejos escondidos e suprimidos, subsiste a vontade de um querer que implica proximidade, presença, permanência.

Um querer ilusório que só existe no mundo de cartão que criámos um dia...

Transformamo-nos em personagens místicas... aquelas que um dia nos fizeram sonhar e, vamos correr mundo, enebriados por sonhos e quimeras que florescerão num novo amanhecer.

Tudo é possível na impossibilidade do momento. Tudo é meu, teu, nosso.

Perguntas-me o que quero... Eu respondo que quero o momento embrulhado em papel de magia, decorado com um laço de eternidade e com um toque brilhante de purpurinas de sonhos.

Corres a dar-me o que quero. Sabes que o tempo urge e amanhã não estaremos cá. É uma luta desenfreada contra o que se afasta de nós.

Mas, mesmo assim, ainda há tempo para sermos muitos, capazes de ganhar hoje o nosso esplendor, fixo num olhar no escuro...

Volto já...



Cecy Y

2 comentários:

Cátia disse...

"volto já...volte connosco!" ahaha

Ás vezes dou por mim a achar que sei muito de ti....mas perco-me nessas falsas certezas :p

Sem dúvida que sabes muito de mim...o que até é bom porque começas a perceber-me, começas a entender a minha falta de atitude perante algumas situaçoes :p

"volto já"

Espero mesmo que sim...:P

Hoje não consigo ler nas entrelinhas...não consigo entender td esta ordem de palavras..frases..ideias!!
Talvez um dia isso aconteça...:P

Um beijo enorme aqui da Milka :)

Cátia Lima disse...

Oh amiga, voltas já?

Onde foste? Está a demorar ver-te por aqui!!

Preciso de Ti querida.

GMDT***