sábado, agosto 12, 2006

Confiar ou não confiar... Eis a questão!


Cada vez é mais dificil, pelo menos para mim, confiar em quem me rodeia.
Sempre fui demasiado independente e pensei que essa independência me daria garra para ultrapassar qualquer desilusão. Em tempos, isso realmente acontecia. Só que a tristeza e o sofrimento que essa situação causava eu sabia interiorizar, possivelmente para não dar parte fraca. Hoje é tudo diferente.
O pensamento "o que os outros dizem e fazem para comigo não me afecta" sempre fez parte dos meus lemas de vida. E continua a fazer parte quando se trata de pessoas que na minha vida não têm, nem tiveram qualquer importância! Agora acho que ninguém pode dizer que não se afecta quando, amigos, a família, entre outras pessoas de confiança, decidem ser umas bestas deitando por terra a relação que vos une. E os motivos podem ser todos e mais alguns! O que mais me irrita é que isto acontece constantemente. Acho que já não sei definir a palavra amizade. Acho que já não entendo em que é que se baseia a relação entre as pessoas. Sinto que as pessoas não se respeitam, só se preocupam consigo mesmo, armam-se em vítimas constantemente e só são felizes se os outros estiverem pior do que elas. Eu decididamente sinto que me falta tempo para me preocupar com a minha vida. Agora não entendo como é que os outros têm tempo para se preocuparem com a vida deles e com a dos outros.
Tenho é pena das pessoas que acabam por sair prejudicadas desta situação. Sei muito bem que não posso generalizar mas não é fácil confiar quando somos bombardeados diariamente por traições, homicídios sem motivo, violência doméstica, etc... Onde está o diálogo? Onde está o respeito? Onde está a dignidade? Onde está a compreensão? Onde está a razão, a consciência dos actos? Ou então o simples perdão, se realmente foi um erro que se cometeu e que não se quer voltar a cometer?
Não sou mais do que ninguém. Agora não consigo dormir quando acho que estou a ser injusta com alguém. Tento resolver tudo aquilo que está ao meu alcance, acabando por me tornar chata. Eu sei. Mas é assim que eu sou.

Talvez pense demais, ou os outros pensem de menos nas suas acções.

Perante situações destas a desilusão é grande mas o ensinamento é muito maior!
A partir de hoje vou ser muito mais cuidadosa em relação a quem confio! É que não tenciono cair no mesmo erro duas vezes... No entanto nunca se sabe!
Vou ainda confiando em pessoas que só pela sua existência e presença na minha vida me fazem sorrir e esquecer o que outras pessoas fizeram.

1 comentário:

Hugo Rafael disse...

Ora bem...axo ke o grande problema é o facto de a sociedade de hoje em dia ser construida à base de interesses...os verdadeiros valores, como a amizade, ke deveriam ser mm importantes, já n o são...ou pelo menos estão a ser cada vez menos...
As pessoas são cada vez mais egoistas e em vez de tentarem ser felizes, tentam apenas ter uma vida sem preocupações e usar o caminho mais facil possivel para atingir os seus objectivos, não se interessando com as consequencias ke podem trazer pras pessoas ke as rodeiam...enfim, é o mundo ke temos, ker keiramos ou não...resta-nos a nós tentar mudar esse mundo...mas antes temos tb ke estar bem com nós proprios...não é?